Jesus nunca foi unanimidade
26 de dezembro de 2017
Cristo é tudo para nós
28 de dezembro de 2017

Para: Quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Texto: Hebreus 1.1-6

“Mas nestes últimos tempos ele nos falou por meio do seu Filho.” (Hb 1.2)

Existe um adágio popular que diz: “As aparências enganam”. Dois dias atrás falávamos a respeito de uma criança que nasceu numa estrebaria e foi enrolada em panos e deitada numa manjedoura. Quem olhava para o bebê Jesus não podia imaginar que aquela criança era muito mais do que aparentava ser.

Os versículos 2 e 3 do capítulo 2 de Hebreus apresentam sete declarações acerca de Cristo: Jesus é o herdeiro de todas as coisas, o agente da criação, o brilho que irradia de Deus que é luz. Ele manifesta a verdadeira natureza de Deus. Sua palavra poderosa sustenta o Universo. Ele é o sacerdote que oferece a si mesmo para purificar os pecados. Jesus ocupa o trono soberano à direita de Deus. Através de Cristo, portanto, Deus se revela e fala conosco.

Convém lembrar que a carta aos Hebreus foi endereçada aos judeus que haviam abraçado o cristianismo. Eles estavam em risco de voltar ao judaísmo. O propósito da carta, portanto, era mostrar a necessidade de se buscar em Jesus tudo aquilo que era necessário para esta vida e a do porvir. Jesus é o único capaz de prover todas as coisas.

Até hoje é assim. Muitas pessoas se deixam levar pelas aparências. Quando relembram a cena daquela pobre criança deitada na manjedoura, não conseguem acreditar que Jesus pôde realizar uma obra tão grandiosa quanto a obra da salvação. Não colocam suas vidas nas mãos do Salvador Jesus. Acreditam que precisam seguir certos rituais para terem um lugar garantido no céu. Uma coisa, porém, é certa: somente Jesus pode dar esta garantia, pois ele vai além das aparências. Por detrás de sua aparente derrota na cruz estava oculta a maior manifestação de sua glória.

Oremos: Senhor ajuda-me a enxergar além das aparências. Fortalece-me na fé no Cristo que é superior a tudo e é o único capaz de garantir meu lugar no céu. Amém.