Honestidade é amor
13 de outubro de 2017
Casamento da Patrícia e do Flávio
17 de outubro de 2017
 Para: Terça feira, 17 de outubro de 2017

Texto: Eclesiastes 4.4-6

“Mas é melhor ter pouco numa das mãos, com paz de espírito, do que estar sempre com as duas mãos cheias de trabalho, tentando pegar o vento.” (Ec 4.6)

Calcula-se que gastamos um terço de nosso tempo trabalhando. Isso significa, na média, 8 horas diárias, 40 semanais, ou ainda uns 25 anos da vida. E do trabalho, esperamos a satisfação para necessidades importantes: o sustento básico e o salário que nos permita adquirir e fazer coisas que gostamos, sem falar no sentimento de realização e reconhecimento.

No começo do mundo, o trabalho foi criado por Deus como algo prazeroso. Mas o trabalho passou a sofrer as consequências do pecado: às vezes se torna improdutivo, às vezes perde o sentido. Às vezes se torna egoísta e às vezes é fonte de estresse. Temos dificuldades com o trabalho.

O autor de Eclesiastes aconselhou: “É melhor ter pouco numa das mãos, com paz de espírito, do que estar sempre com as duas mãos cheias de trabalho, tentando pegar o vento” (Ec 4.6). Ele contrastou dois extremos: “ter as mãos cheias (de riquezas), à custa de muito trabalho”, com o “ter as mãos vazias”, como fruto do ócio de quem não quer trabalhar.

O caminho é um meio-termo, onde encontramos felicidade no contentamento. Tranquilidade sem trabalho não traz contentamento. Tampouco trabalho sem tranquilidade. É preciso os dois: trabalho e tranquilidade. Como obter essa tranquilidade é um dos principais assuntos da Bíblia. Passa por reconhecer e abandonar nossa tendência de inveja e de querer o que os outros têm. E acima de tudo, passa também por desfrutar da maior tranquilidade que existe e está disponível para nós: Jesus Cristo, que por ter trabalhado por nós na cruz, pode oferecer satisfação e descanso verdadeiro para todos.

Oremos: Deus, agradecemos-te pelo trabalho que temos e te pedimos por todos que estão com alguma dificuldade no trabalho. Ajuda-nos também a não cair na tentação de “nos matar trabalhando” nem de sermos preguiçosos, mas a encontrar tranquilidade confiando em Jesus. Amém.